30 julho 2007

Corrida R.T.P Norte na Póvoa do Varzim


Se há terras e praças com muito significado para o Grupo, a Póvoa do Varzim é uma delas. Antigamente o Grupo ia à Póvoa mais do que uma vez por ano, era uma cidade que dizia muito ao nosso Nuno Salvação Barreto, chegou a ser proprietário do Casino, do Grande Hotel e da Praça de Toiros durante largos anos.
Hoje em dia a tradição ainda se mantém, vamos sempre à Póvoa e na minha opinião muito pessoal, é a corrida que gosto mais, por tudo o que ela representa para o Grupo e para cada um de nós.

O encontro estava marcado para as duas da tarde no Hotel de costume, mas os elementos do Grupo começaram a chegar bem cedo, uns logo na 6ª feira, outros no Sábado e outros no Domingo.

Os cabeças de cartel eram Rui Salvador, Luís Rouxinol, Tito Semedo, Vítor Ribeiro, Ana Batista, António Maria Brito Paes, Grupo de Lisboa, Coruche e Cascais. Os toiros a enfrentar eram Ruy Gonçalves e os sobreros de Higino Soveral.

A responsabilidade de abrir praça e numa corrida da TV coube ao Ricardo Eusébio (Máno, Tchupa). O Eusébio sempre muito sereno brindou ao público e num gesto com muita tradição no Grupo pegou sem barrete. Começou bonito a citar até que provocou a investida do toiro, esteve correcto a recuar na cara do toiro, ou seja, a Tourear o toiro. Pegou à barbela com uma reunião fácil e com uma boa primeira ajuda do seu irmão, Zé Carlos Eusébio.

Para fechar a actuação do Grupo, o Cabo escolheu o Mira. Previa-se uma pega mais difícil com um toiro a entregar-se mais na pega. Como é hábito o Mira esteve bonito e muito vistoso a citar, carregando e recuando na altura certa, tendo tido uma reunião boa.
O toiro assim que sentiu o primeiro ajuda Mota Ferreira, começou a derrotar bastante forte e alto até aos restantes ajudas. Empurrou até ás tábuas sempre a derrotar e a querer-se de todos os forcados. Muito mérito do Mira, que aguentou todos os derrotes do toiro, sempre a lutar para ficar na cara e que acreditou até ao fim da pega, mérito também a todos os ajudas, que também acreditaram sempre no forcado da cara e que deram o máximo até ao fim.
Foi uma pega muito dura e que foi justamente premiada como a pega da tarde.
O Grupo fechou assim mais uma corrida com um nível bastante elevado.

Dos outros 2 grupos destaca-se a pega de Rui Godinho, dos Amadores de Coruche, uma pega muito vistosa.

Da corrida da Póvoa é tudo, em breve estará aqui no blog algumas das Histórias da Digressão.

Grande Abraço,
Pedro Maria Gomes

2 comentários:

ana disse...

Ai esta uma bela crónica de uma boa corrida,com belissimas pegas.......

Maria Manuela disse...

Folgo muito em saber de mais um triunfo na praça da Póvoa,uma praça, como muito bem o dizes, tem muito significado para o grupo e para muitos amigos como eu que vos acompanharam por lá durante anos ainda em vida do nosso querido e saudoso Ti Nuno e não tão amiude depois disso,com bastante mágoa minha.Tu próprio e o teu irmão Gonçalo começaram bem gaiatos a vir ás corridas da Póvoa,ainda te lembras das diabruras que vocês juntos com o Sandro(meu filho)faziam naquele Grande Hotel?Como é bom recordar,pessoas tão queridas e que nos marcaram tanto na vida.Mil felicidades para todos.Manuela