04 setembro 2007

Monumental de Corroios




No passado dia 31, fomos até Corroios, essa localidade mítica para o nosso grupo, para pegarmos mais uma corrida nesta longa época e para terminar o muito preenchido mês de Agosto. O Cartel era Composto pelos Cavaleiros Vítor Ribeiro, Ana Baptista e pela Joana Andrade. No capitulo da Forcadagem dividia o cartel connosco o Grupo de Forcados Amadores da Moita. Os toiros pertenciam às Ganadarias de Manuel Lopo de Carvalho (3) e Jerónimo Manzarra (3).

Para o 1º da noite, toiro bem apresentado de carnes, com alguma falta de corno, foi chamado para a função o João Galamba Júnior que só conseguiu pegar à 5ª tentativa. Como todos sabem não é meu habito comentar as prestações dos outros forcados do grupo, porque também lá ando e todos sabemos que há dias sim e dias não. Mas desta vou, atendendo a forte ligação que tenho com a família Galamba, vou tentar expressar o meu sentimento em relação à prestação do João Júnior. Todos sabemos que vestir a Jaqueta do Grupo de Forcados Amadores de Lisboa não é tarefa fácil, principalmente se somos filhos de forcados antigos. Nessa condição, a pressão que sentimos quando vamos pegar é, quer se queira quer não, muito maior e a responsabilidade é bastante acrescida, porque ninguém gosta de estar mal, e se somos filhos de forcados antigos com nome no Grupo, temos a sensação que não fomos só nós que estivemos mal, mas que deixamos também alguém mal. Por isso amigo João tens de te libertar da pressão que sentes por ser filho de um Forcado antigo do Grupo e vais ver que tudo te vai correr muito melhor. Tu ainda és novo e a tua valentia e garra não se podem por em questão, ficando estas bem patentes nas tentativas que fizeste ao toiro, que na minha opinião, não era uma “Pêra Doce”. Tenho, também a certeza que da próxima vez te irás sentir menos pressionado, porque já levaste a tua 1ª tareia ao serviço da nossa Família, o que é sempre bom, ajuda a relaxar, e penso que se tu deixares que os toiros te babem mais a cinta quando recuas as coisas te iram correr bastante melhor. Resta-me uma palavra de apreço para o Manolo, que depois de ter sido bastante amassado no Campo Pequeno na noite anterior, lá esteve atrás do João em todas as tentativas, sempre com a mesma disponibilidade e vontade.

Para o 3ª toiro da noite, também pertencente à divisa de Lopo de Carvalho, apresentando-se como o mais sério da corrida foi chamado o Pedro Miranda, que depois de brindar ao mutilado de Albufeira, Papa Cães só para os amigos mais íntimos, caminhou para o centro da arena e andou seguro para o toiro. Carregou na altura devida, recuou-lhe bem na cara e concretizou uma pega bastante limpa ao 1º intento, apesar do toiro depois de lhe meter a cara ter tentado voltar para o sitio de onde saiu para o forcado, não conseguindo devido à pronta intervenção da rapaziada que estava a ajudar.

A fechar a nossa prestação e para o 5º toiro, de Manzarra, foi chamado o António José Casaca, “Cordobés em Córdoba” como dizia Mestre Nuno. Depois de ter brindado a sua sorte a seu pai, o incomparável Sr. Casaca, o António, forcado veterano e com muitos toiros pegados, fez tudo muito bem feito e quando assim é, pegar toiros até parece fácil. Pelo andar da carruagem, vamos ter, e Deus queira que sim, António Casaca por mais 10 anos.

Aproveito, também, para salientar que no final da Corrida houve a entrega de troféus para a melhor Lide a Cavalo que foi entregue, e, na minha opinião, bem à Cavaleira Ana Baptista e para a melhor pega que foi entregue ao forcado dos Amadores da Moita pela pega ao 2º toiro da Corrida (talvez pela inovação na sorte????????? – Cernelha com sete??????)


Aqui fica mais uma corrida do nosso GFA de Lisboa.



Adeus e Beijinhos à prima


Nuno Burra

Foto gentilmente cedida pelo fotografo Joaquim Mesquita, o nosso Obrigado

1 comentário:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.