08 julho 2008

São Jorge: Sopeiras de bordo, Ana V., atum, alvarinhos e pontos


Dia 2-Julho (4ªfeira)- Aquecimento para a digressão

Como já vem sendo hábito, o motor de arranque para as digressões do GFAL começa no restaurante "Cantinho do Alfredo" e, como tal, foi organizado o jantar de inicio de digressão.
Após o jantar propriamente dito, uns quantos elementos do grupo foram ver como estava a noite de Lisboa e tentar a sua sorte nos diferentes pontos nocturnos da cidade.
Claro que quem embarcou nesta aventura nocturna, tinha era realmente medo de não conseguir estar às 7 da manhã no aeroporto e portanto acharam que a melhor solução seria irem de directa. Os mais valentes, estariam às 5:00 no aeroporto, com 365 km e uma directa.



Dia 3-Julho (5ª feira) - Inicio de digressão

Com o início da concentração marcado para as 7:00, começa a chegar a rapaziada.

De referir que houve elementos que com medo de perderem o check-in, resolveram chegar às 5 da manhã, mais concretamente os ilustres:
Zé da Burra, Horácio Lopes, João Galamba Sr e Jr, Miguel "Tomate", Pedro Parrulas, Nuno Burra e os manos Eusébio, esses sim já com 365km em cima.
Claro que o facto de estarem tão cedo no aeroporto se deveu a um engate do Cabo, que não os avisou que a hora de concentração tinha mudado das 5 para as 7 da manhã.

Com a rapaziada já toda, procedeu-se ao check-in e posteriormente embarque às 9:00 para Ponta-Delgada. A viagem durou cerca de duas horas até São Miguel, onde estivemos mais uma hora à espera de vôo que nos levasse até São Jorge.

O avião que fez a ligação, tinha umas hélices do tempo do Salazar, mas no seu interior iam duas modernas ........ sopeiras de bordo. Uma delas era a versão do Luis Bombeiro em feminino, mas a outra era um mimo, que viria a ser conhecida como a Ana V.

Ana V. ou simplesmente "a sopeira de bordo", viria a fazer a delícia de quantos participaram nesta digressão, excepto a um, ao "Special One", mas ... já lá vamos.

Chegados a São Jorge e após a recepção das malas, fomos conduzidos ao famoso hotel "Centro Paroquial do Emigrante", pronto a ser estreado pelo GFAL.

Em seguida rumámos à "Turtulia Jorgense", propriedade do ganadero e aficionado local Álvaro Amarante, onde fomos recebidos com um suculento almoço á base de atum, iscas e um arroz suculento. As horas seguintes seriam passadas a descansar, a visitar o meio envolvente do Centro Paroquial e a jogar uma sueca.

Ao aproximar-se a hora de jantar, encaminhá-mo-nos novamente para a Turtulia, onde fomos presenteados com outro belissimo jantar, desta vez á base também de atum.

Após o jantar e alguma conversa entre os demais convivas, fomo-nos encaminhando para o "hotel", pois no dia seguinte esperavam por nós 4 Alvarinhos. É nesta altura que a "Sopeira de Bordo", dá sinais de vida. O "Special One" fica em pulgas e com o ego já bem alto, solta algumas frases: "Olha é a gaja", "Toma!", "Diz lá quem é o maior?!" ou "Êh nã te disse?!" previam um desfecho favorável. Xixi, cama e alguns risos.



Dia 4-Julho (6ªfeira) - O sentir dos 1ºs Alvarinhos
Acordámos sensivelmente por volta das 11 da manhã e deslocá-mo-nos até à vila de Velas, para tomar o pequeno almoço. Após uma volta pedonal pela vila, rumámos até à Turtulia para mais um almoço, o qual não foi muito saboreado, pois a corrida já se aproximava e o apetite já não muito.
Novamente direitos ao "hotel" para descansar um pouco e começar a fardar. Fardou-se toda a gente e ainda o António "Placas, Meias brancas" Rijo. Ala para a praça!

Cartel composto pelos cavaleiros João Salgueiro e Tiago Pamplona e pelo matador Luis Procuna. 4 toiros de Alvaro Amarante para cavalo e 2 de Conde Cabral para a lide a pé.

Expectativa enorme para ver como seriam e sairiam os famosos Alvarinhos.


1º toiro - toiro sonso a cumprir, sem dificuldades.
Para o 1º Alvarinho foi escolhido o Francisco Mira, o qual apesar de ter pegado á 1ª, não esteve bem com o toiro. Talvez por estar desconfiado com o que seria o Alvarinho ou por não pegar à 1ª há quase 1 ano ou por ter sido maltratado na última pega no Campo Pequeno ou por não querer perder tempo e ir procurar a sopeira, por todos estes condicionalismos, o Mira não deixou o toiro
ser correctamente colocado e foi precipitado. O toiro ao virar-se e ver o forcado arrancou direito ao grupo e em 3 tempos a pega estava concluída. Devido à rapidez entre todos estes tempos nem tive tempo para tirar uma foto da pega. Fica para a próxima patego!


2º toiro - um pouco maior, mais cornaleiro e um pouco bisco. Reservado na lide.
Forcado escolhido - António Casaca. O Casaca andou bem para o toiro, a mostrar-se e a ganhar-lhe o terreno, sempre com o toiro enquadrado consigo. Carregou-o na altura certa, recuou como ele sabe e agarrou-se à cornea. O toiro após sentir o forcado, percorreu a viagem até meio do grupo por baixo e nessa altura levantou a cara, mas o Casaca vinha bem fechado e dali não saía. Destaque para a ajuda do Pedro Parrulas.

3º toiro - outro toiro sonso, pouco corno e fechado.
Foi escolhido o Pedro Baptista que tinha estado bem na última corrida no continente. O Pedro andou bem para o toiro a deixar-se ver. Carregou e recuou correctamente, mas no momento da reunião não se conseguiu fechar correctamente pois o toiro meteu-lhe a cara de lado e com os poucos cornos que tinha e ainda por cima fechado, não foi possivel fechar-se. À 2ª, com a mesma disposição, fechou-se totalmente na cara do toiro, sendo bem ajudado pelo grupo.

4º toiro - parecido com o 3º, mas com mais 5 cm de corno e ligeiramente mais aberto.
Foi escolhido o Pedro "Tita" Gil. O Tita perfilou-se diante do toiro, andou para os seus terrenos correctamente e carregou. O toiro saiu com alguma pata, forcado recua como deve ser, agarra-se e após sentir-se agarrado dá um derrote algo estranho (observem a foto), passando o Tita da barbela para a córnea. A partir daqui, o toiro tentou sempre tirar o forcado e o Tita sempre a brigar com ele, isto com os outros elemetnos já pelo meio a ajudar, até que conseguiu finalmente fechar-se correctamente e o grupo parar o toiro. Pega de querer!

Estava assim concluída a nossa prestação na 1ª corrida da feira de São Jorge e com sucesso. Podiamos assim jantar animados. Este teve lugar na Escola Profissional, em que nos foi servido mais um atum e uma carninha saborosa. Findo o jantar, fomos até à vila para um pequeno passeio pelas festas. Umas bebidas para refrescar o corpo, um pouco de música do concerto e xixi cama, que era hora de descansar.

Na viagem para o "hotel", ficámos a saber que a Ana V, não poderia aparecer, pois segundo ela "a Tânia tá com sinozite e não tenho bateria, vou para a casa da minha tia".


Dia 5 Julho (Sábado) - Os outros Alvarinhos
Alvorada novamente pelas 11 da manhã e pequeno almoço da praxe no Suspiro em Velas. Alguns elementos foram depois a banhos no mar de Velas. Aproximava-se a hora de almoço e lá fomos nós até à Turtulia. Almoço rápido e ligeiro e rumo ao "hotel" para bater uma sesta e descansar.
Às 16:30 começa a fardação e ás 17:45 estamos já nas portas da praça, prontos a começar a nossa prestação da melhor maneira.


Cartel composto pelos cavaleiros João Salgueiro e Tiago Pamplona e pelo matador Javier Solis.
4 toiros de Alvaro Amarante para cavalo e 2 de Conde Cabral para a lide a pé.


1º toiro - sonso a cumprir, fechado de cara.
Foi escolhido Ricardo "Mano, Txupa" Eusébio. Na 1ª tentativa, o Txupa carregou e recuou com o toiro, mas no momento da reunião este entrou-lhe por alto, não conseguindo fechar-se
correctamente. Ainda assim, veio agarrado á cornea até ás tábuas, sendo posteriormente despachado. Saiu combalido o seu irmão Zé Carlos que estava a dar 1ªs. Nesta tentativa o toiro não foi ajudado pelo grupo, pois caso tivesse sido a pega resultaria à 1ª. Assim, foi obrigado a ir lá uma 2ª vez, em que já com mudança de 1º ajuda, o toiro arrancou com pata e com mais dureza meteu a cara no Ricardo, percorrendo a viagem por baixo até às 3ªas, onde foi bem ajudado pelo Mira que estava a rabejar.
2º toiro - toiro a deixar-se lidar, com pouca cara.
O João Galamba Jr foi o eleito para este toiro. Andou para toiro a deixar-se ver e carregou-o saindo este pronto. O João esteve correctissimo no recuar, com o toiro a humilhar bastante e reuniu em perfeição, tapando bem a cara ao animal. O grupo ajudou em bloco, fazendo com que a pega saísse fácil e limpa.

3º toiro - já com outro tipo, maior, com pouco corno e ligeiramente gravito. Reservado na lide.
Foi escolhido o Nuno Burra. Após o brinde e a colocação do toiro, o Nuno andou para cima dele para lhe ganhar logo terreno. Ao carregá-lo, o toiro saiu solto, o forcado começou a recuar como deve ser e aí a sensivelmente 1 metro da reunião, pregou-lhe um salto atingindo-o na cara e não deixando que se lhe pusesse sequer um braço. Com este impacto que recebeu, o corpo do Nuno foi projectar o Luis Bombeiro que estava a dar 1ªs. Ambos caem neste momento com o toiro a pisá-los e ainda a colher o Nunes no ar e também a pisá-lo por terra. Nuno e Luís sairam lesionados nesta tentativa.

Salta o Pedro "Trolha" Miranda para a dobra. Entretanto muda-se o toiro de terrenos e nesta altura o mesmo começa a desarmar os bandarilheiros, um atrás do outro, havendo capotes por terra. Com o toiro finalmente colocado, o Pedro andou para cima dele, carregou-o. O comportamento já foi outro em que já investiu franco para o forcado, recuando este pouco com ele, fechando-se correctamente e sendo bem ajudado pelo grupo.

Parte médica (com mini na mão e bafo a álcool): Os pontos (6) retirados o ano passado ao FCP por corrupção, foram direitos à boca do Nuno da Burra e os pontos que vão tirar aquele clube ali em frente ao Colombo devido ao caso Alcides, foram direitos para o olho do Luis Bombeiro.

4º toiro - outro maior, pouco corno mas este com aspecto de boi, de cruzado. Igualmente reservado na lide.
Só restava o João Lucas! O João andou logo para o toiro, para não lhe dar vantagens, esteve um bocado à conversa com ele e carregou-o. Ao recuar o toiro ensarilhou um pouco, levando o Lucas a lançar-lhes os braços na tentativa de o enganar, fazendo com que se adiantasse e o toiro não lhe pusesse a cara correctamente. Na 2ª tentativa, já mais em cima, abafou logo o animal, consentindo-o como deve ser e fechando-se bem com o grupo a ajudar em bloco, terminando assim a prestação em termos taurinos na feira de São Jorge.


Rumámos ao "hotel" para um banhinho rápido pois aguardava-nos um jantar em casa do ganadero e aficionado Don Alvarinho. Neste estavam sensivelmente 100-150 pessoas, entre os quais estavam todos os intervenientes na feira taurina. Ao som do "Só Forró", iam-se bebendo uns penalties, uns aguentavam mais, outros nem tanto. Aos poucos a festa privada desceu para a rua, pois era hora de ir ver as "Just Girls", no cais.

Já com algum andamento, a rapaziada espalhou a sua magia no cais, desta vez já com o DJ de serviço a meter um tsung tsung e com as locais todas histéricas com a prestação dos dançarinos GFalianos. Entre uma e outra já meia morta, deu para tudo com a festa a durar até de manhã. Às 8:00 já estávamos no hotel para descansar um pouco.



Dia 6-Julho (Domingo) - O Adeus

Aos pouco a rapaziada foi acordando, pois tinhamos que estar ás 13:00 na "Turtulia" para almoçar, já carregados com as malas. Durante o almoço o nosso amigo Javier Solis, sentiu-se mal, pois nã está habituado a conviver com o GFAL e teve que largar alguma coisa que ainda tinha da noite anterior. No pasa nada Javier, toma un Gurosan!

Após a refeição, sentá-mo-nos todos na varanda da Turtulia - com uma posição privilegiada- à espera que começasse lá em baixo no cais, a tourada à corda. Tourada tranquila, pois ninguém foi agarrado, somente uns quantos tiveram que se atirar para as águas do cais.

4:30 era hora de rumarmos direitos ao aeroporto, não sem antes passarmos na Escola Profissional e vermos as frutas que lá estavam: um ananás e um coco.

Novamente de caminho para o aeroporto, onde estivemos sensivelmente 1:30 a passar o tempo da melhor forma possivel, entre cartas, musica e judiarias.

Direitos à Terceira, lá fomos nós num vôo de 20 minutos. Como a escala nesta ilha ainda durava 2 horas, fomos lanchar à Praia da Vitória, ao Tropical Point. Entre um ou outro marisco, lembranças para o continente, o tempo passou rapidamente. De realçar a belíssima t-shirt que o Rijo trouxe dos Açores para oferecer, deveras original e bonita.

Só que agora não havia táxis que nos levasse de volta ao aeroporto. O 1º táxi que passou foi logo abarbatado pelo Cabo e demais tripulação sénior. Entretanto passa um xuning num Saxo todo equipado o qual é mandado parar pelo Casaca, que pediu ao "moço" para levar uns quantos até ao aeroporto. Lá foram eles a curtir uns raters. Com isto tudo, os táxis chegaram e a rapaziada dirigiu-se até ás Lages.

Check-in e embarque já em cima da hora e ala para Lisboa, onde chegámos por volta das 00:20.
Recolha das malas e despedida até 5ª feira, pois era hora de descanso e de regresso até à familia.


1 abraço a todos,
Gonçalo Maria Gomes

10 comentários:

NMB disse...

Muitos Parabéns ao "Bunhito" pela crónica! Para além de estar muito bem escrita, "espelha" na perfeição o que se passou nesta digressão.

Anónimo disse...

epá.. e o exmº Sr. Conde Cabral? foi lá passear???
não foram 6 alvarinhos por corrida mas sim 4! a lide apeada foi preenchida por SUAVES toiros de Conde Cabral... achas que alguem se ia por de muleta á frente de um ALVARINHO???
abraço PIRELLI

Gonçalo Maria Gomes disse...

Já está corrigido! A estampa dos toiros para a lide apeada era tanta, que nem me lembrei que pudessem ser Conde Cabral.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Pessoal..para a proxima ..tem de ser na terceira.. para ver se em x de atum comem o pocadinho de carne..1 abraço a barbela.

Ana V. disse...

Ao special one:

Até um próximo encontro, quem sabe desta vez em terra.

Grande beijinho, Ana V.

João Gomes disse...

Programa da RTP Açores "Festa Brava" do dia 12 de Julho, dedicado sobretudo à 2ª corrida da feira da ilha de São Jorge, http://videos.sapo.pt/jwLz7srOZpWDGmhMTTC0

Um Abraço!

Atum Atum Atum

Cristiana disse...

Grande digressão a S.Jorge!
Queria dar-vos os PARABENS !!!!!
As fotos estao o máximo, e texto esta muito bom. E engraçado.
O que interessa é o convio,espirito de equipa e cabeça fresca para pegar toiros (na qual, voces o fazem bem).

Pela vossa humildade e sinceridade,neste mundo dos toiros
(que nem sempre é fácil) merecem tudo de BOM, MUITA SORTE para esta epoca, e para as proximas que aí vierem, vos desejo and mais sorte!

Que o Futuro vos sorria sempre.

Um abraço da amiga Cristiana

Diana disse...

mt boa cronica sobre a estadia em s.jorge.. e sim, mt boa descriçao das corridas.. estive la nas duas e espero que voltem ca mais vezes :) espero que alguns de voces se lembrem de mim ja que fiz a viagem de lisboa ate s.jorge convosco e tambem estive presente no jantar da casa do Sr. Alvarino :) ahh.. e digam la se o atum nao era bom?! :P **

manela disse...

Que satisfacao ver que os antigos forcados continuao a apoiar a nova geracao!Eu era uma grande fan e grande amiga do Ze da Burra um forcado muito especial, agradecia que lhe desse um abraco por mim, perdi contacto com ele apr. 20 anos.Espero que a nova geracao continue com boas pegas. Manela (ex.Vila Franca de Xira